24/04/2011

sobre um certo Colligere



Desse meu canto aqui, pessoalmente, não sou lá muito fã de hardcore e suas vertentes, mas sempre me surpreendeu muito a extrema devoção de muitos dos entusiastas do agácê. Posto isso, não dá para não comentar um vídeo que rolou em alguns facebooks da vida há alguns dias.

A coisa toda aconteceu na Casa do Estudante Universitário, em Curitiba, no último dia 10 de abril. A banda Colligere fez show de reunião após pouco mais de dois anos fora dos palcos. Segundo Brunno Covello, um dos guitarristas do grupo (que também toca no Colorphonic -- o outro guitarrista é Artur Roman, do Sabonetes), a Colligere tocou por quase dez anos antes de parar; lançou quatro discos e fez uma turnê pela Europa em 2004 e duas pelo Brasil: "tocamos em quase todos os cantos do país, de Porto Alegre ao Nordeste" explica ele.

Desse ponto dá pra entender o comportamento do público durante o show realizado na 7ª Verdurada de Curitiba (esta, aliás, há tempos um evento de grande curiosidade jornalística por parte deste blogueiro). Dá uma olhada:



Não sei o que chama mais a atenção nesse vídeo: se são as ondas de empurrões indo de um lado para o outro, ou se é o cara que sobe no pilar para dar mosh, se são as pernas de ponta-cabeça que regularmente aparecem ao fundo, se é o olhar de endeusamento que a rapaziada dirige ao vocalista Rodrigo Ponce (e este parece estar indiferente a todos), se é a garota de cinza e óculos se apoiando na parede com toda a sua força, à esquerda do vídeo, ou ainda se é o fotógrafo à direita, se esquivando dos músicos e da plateia, tentando tirar suas fotos enquanto berra a letra inteira.


Méritos do Colligere em tocar essa mini-multidão, mas desconfio aqui que as Verduradas costumam ser sempre assim. Se assim elas são, de fato, fica a vontade de ir a uma delas para ver qualé. E de escrever um post aqui depois.

15/04/2011

os flyers do underground curitibano

Neri da Rosa não é multi-instrumentista (ou talvez seja, não o questionamos a respeito), mas é multifuncional: artista plástico e gráfico, empresário, publicitário entre outras ocupações, mas a qual destacamos é a de amante e incentivador da música paranaense. Como todos nós, também ficou indignado com a confusão toda da Rádio Educativa e até produziu da sua própria casa uma coletânea de 99 músicas que "homenageia" as rádios que não tocam o Paraná.

Essa coletânea será trilha sonora da exposição Paint Flyer, que o Neri abre neste sábado (16) lá no Stereo Toaster. São algumas pinturas inspiradas nos flyers de bandas do underground curitibano dos anos 80 pra cá.

Para divulgar esse evento e também esculachar a situação atual da música local frente às rádios paranaenses, Neri da Rosa foi o convidado do décimo quinto Podcast Sobretudo - Defenestrando, que para conferir basta dar um play aí embaixo.





O cartaz do Paint Flyer também segue abaixo sob alta recomendação defenestrada:



10/04/2011

Show de brinquedo

foto: Gabi Lima / divulgação

Muitas crianças pulando na frente do palco, correndo pelos corredores, se jogando no chão, rolando de lá para cá. Pais desesperados tentando controlá-las -- ou não. Fãs inveterados cantando todas as músicas. Velhinhos olhando tudo com admiração. Casaizinhos juntos, gostando de tudo o que viam. Pessoas atrasadas sentadas no chão, porque não tinha mais nenhuma poltrona para sentar. E até um rapaz de perna quebrada, batendo sua muleta no chão ao ritmo da música e fazendo estardalhaço.

Tudo isso é só uma pequena amostra do que foi possível encontrar na plateia durante o grande show de brinquedo realizado pelo Pato Fu na última sexta-feira (08/04), no auditório do Colégio Estadual do Paraná. Em cima do palco, Fernanda Takai, John Ulhoa e cia. limitada faziam a festa com brinquedinhos, bonequinhos, guitarrinhas, baixozinhos, bateriazinhas, pianinhos, tecladinhos, canetinhas, xilofonezinhos. Qualquer brinquedo vira instrumento nas mãos dessa trupe; que o diga o baterista Xande Tamietti, que consegue, quem diria, tocar pogobol em uma música e um enorme joão-bobo em outra.

Show incrível para todos os públicos, de todas as idades, de todos os tipos. No vídeo abaixo você assiste ao Pato Fu tocando "Todos estão surdos", de autoria de Robertinho e Erasmo Carlos:


O show fez parte da mostra Guritiba, dentro do Festival de Curitiba. Todas as atrações do Guritiba aconteceram no auditório do Colégio Estadual do Paraná, que cá entre nós, não tem a acústica para um show como esse, no qual todo detalhe faz diferença. Quem estava mais para o fundo do auditório ouvia uma confusão de sons graves, mas nada que a simpatia de Takai, a camaradagem de Ulhoa e a virtuosidade dos arranjos não superasse. Grande show, grande noite.


Em tempo: para você que ainda não sabe do que se trata essa brinquedarada toda, vem ver o que escrevemos outra dia sobre o disco Música de Brinquedo.

---

Para ver esse e vários outros vídeos defenestrados, acesse o nosso canal no Youtube.